Daesh sequestra 130 famílias em campo de refugiados sírio

Daesh perdeu terreno dentro da Síria

Daesh perdeu terreno dentro da Síria
Reuters/Omar Sanadiki/21.5.2018

O grupo jihadista Daesh sequestrou pelo menos 130 famílias de um campo de refugiados al-Bahra, na Síria, informou o OSDH (Observatório Sírio para os Direitos Humanos).

O campo se situa a leste de Deir al-Zour, em zona rural desta cidade que estava sob domínio do grupo até novembro de 2017, quando foi retomada por forças governamentais sírias.

Até o momento, informou o OSDH, é desconhecido para onde foram levados os reféns. A OSDH informou que “a maioria” dos sequestrados é de mulheres estrangeiras e sírias. Além delas, ainda há filhos de jihadistas e pelo menos 23 combatentes das (SDF) Forças Democráticas da Síria, uma organização rebelde liderada por curdos, como reféns.

Há informações de que o grupo, em negociações, poderia liberar pelo menos 90 mulheres sequestradas, em troca de antigos membros do Daesh e de restos mortais de combatentes e familiares do grupo. O Daesh também estaria exigindo o envio de alimentos para seus membros. Mas a oferta não foi aprovada, segundo o OSDH.

Desde que perdeu o controle de Deir al-Zour, o Daesh tem praticado sequestros, por meio de remanescentes do grupo na região, que buscam uma espécie de guerra de terror para tentar recuperar o terreno perdido. No último dia 25 de julho, o Daesh já havia sequestrado cerca de 27 pessoas, incluindo 16 crianças, que continuam sob custódia.

Deir al-Zour havia sido tomada pelo grupo em 2014 e era importante por fazer fronteira com o Iraque. Era por ali que os extremistas enviavam de um país para outro combatentes e armas.

O recente sequestro ocorreu na última sexta-feira (12), quando os terroristas invadiram uma zona de deslocados na região, onde as milícias curdo-sírias lutam contra os extremistas. De lá, os reféns foram transferidos para uma área a leste do rio Eufrates.

Deir al-Zour era uma região estratégica para o Daesh. Por ficar na fronteira com o Iraque, os combatentes enviavam armamentos com maior facilidade, já que dominavam boa parte do país vizinho, onde também estão perdendo territórios.

Meses antes, o Daesh havia perdido o domínio da cidade síria de Raqqa. Mas, mesmo com as perdas, as ações do grupo prosseguem.
E vêm para mostrar que foi precipitada a declaração do governo sírio, na ocasião da retomada de Deir al-Zour, de que “a cidade está completamente liberada dos terroristas.”

Veja a galeria – Daesh: aplicativo atrai e causa a prisão de 5 dos principais líderes

Crescimento de vendas e produção de veículos no Brasil deve desacelerar em 2019, prevê Anfavea

SÃO PAULO (Reuters) – A indústria de veículos do Brasil deve desacelerar o ritmo de crescimento das vendas e produção em 2019, previu nesta segunda-feira o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Segundo Antonio Megale, o crescimento das vendas internas em 2019 deverá ser “de dois dígitos baixos, um pouco abaixo deste ano”. A Anfavea espera para 2018 crescimento de 13,7 por cento nas vendas internas, para 2,546 milhões de veículos, após alta de 9 por cento em 2017.

Megale também afirmou, durante evento promovido pela AutoData, que a produção deve crescer “um pouco abaixo de 2 dígitos” em 2019, pressionada pela crise argentina, principal mercado externo do setor. A previsão da Anfavea para este ano é de crescimento de 11 por cento na produção, para 3 milhões de unidades.

“Independente do governo que assumir no próximo ano, o mercado (interno) vai crescer 10 a 14 por cento. Tem estrutura macroeconômica que permite isso. Os juros estão baixos, o PIB está voltando, os bancos estão emprestando”, disse Megale.

“O que está difícil é a exportação e isso depende muito da Argentina, que ainda vai ter dificuldades no primeiro semestre do ano que vem”, acrescentou o presidente da Anfavea, citando que os mercados do Chile e Colômbia estão avançando na pauta de vendas externas do setor.

Durante o evento, o presidente da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, melhorou estimativa de crescimento do mercado brasileiro de carros e comerciais leves de 10 por cento para 12 por cento ao ano, também citando fatores macroeconômicos, incluindo maior disposição de concessão de financiamentos pelos bancos.

Di Si afirmou que a produção de motores da Volkswagen em sua fábrica em São Carlos (SP) deve dobrar para 830 mil neste ano ante 2017, mas para 2019 ele estimou crescimento de 10 a 20 por cento no volume produzido na unidade.

O executivo da Volkwagen estimou que as vendas de carros e comerciais leves na Argentina devem cair para 770 mil unidades neste ano após 857 mil em 2017, mas que a produção da Volkswagen no país vizinho deverá crescer 8 por cento por causa da expansão do mercado brasileiro.

None

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Ações defensivas ajudam S&P, Dow avança, apesar de pressão de tecnologia

Por Medha Singh

(Reuters) – Uma queda nas ações de tecnologia nesta segunda-feira continuava a pressionar Wall Street e mantinha o índice Nasdaq em baixa, mas o S&P 500 e o Dow Jones registravam pequenos ganhos com o avanço de setores defensivos, enquanto operadores também apontavam para um suporte técnico.

Às 15:36 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,01 por cento, a 25.338 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,075168 por cento, a 2.765 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,38 por cento, a 7.469 pontos.

As ações da Apple caíam 1,5 por cento e eram o principal peso sobre os três maiores índices, depois que o Goldman Sachs disse que havia múltiplos sinais de rápida redução no crescimento da demanda na China, o que poderia afetar a demanda por iPhones neste outono.

O índice de tecnologia perdia 1 por cento, o maior entre os 11 principais setores do S&P. Os setores defensivos de imóveis e consumo subiam cerca de 1,30 por cento, enquanto o setor de serviços públicos tinha alta de 0,79 por cento.

“É quase como se um cessar-fogo ocorresse no mercado entre os compradores e vendedores. Há uma hesitação para fazer um movimento em qualquer direção agora e o melhor termo para descrever isso é, provavelmente, ‘nervosismo'”, disse Michael Antonelli, diretor gerente na Robert W. Baird.

Wall Street está saindo de uma forte venda generalizada na semana passada, sua pior em sete meses, com o avanço dos temores sobre o impacto de tarifas e do aumento dos custos de empréstimos sobre os resultados corporativos, com a temporada de resultados do terceiro trimestre ganhando velocidade nesta semana.

Também adicionou nervosismo o aumento das tensões entre as potências ocidentais e a Arábia Saudita pelo desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi. A Arábia Saudita detém participações em grandes empresas dos EUA e também financia o Vision Fund do SoftBank Group, o maior veículo de investimento em tecnologia do mundo.

None

(Por Medha Singh)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7723))

REUTERS CV ID

Porsche precisa tornar-se mais atraente para investidores, diz vice-presidente

FRANKFURT (Reuters) РA fabricante de carros esportivos Porsche pode valer at̩ 70 bilh̵es de euros como uma companhia listada separadamente e tem de pensar em maneiras de tornar-se mais atraente para investidores e parceiros, disse o vice-presidente financeiro, Lutz Meschke, ao jornal aleṃo Sueddeutsche Zeitung.

A Ferrari e a Aston Martin se beneficiaram da listagem de ações e a Porsche deveria pensar em maneiras de tornar-se mais atraente, disse Meschke ao jornal.

“Toda empresa precisa pensar se faz sentido criar divisões competitivas”, disse Meschke em resposta a uma pergunta sobre os méritos de uma listagem na bolsa de valores.

A Porsche pode valer entre 60 bilhões e 70 bilhões de euros, disse Meschke, sem explicar em que baseou essa estimativa.

Uma porta-voz da Porsche disse nesta segunda-feira que a empresa não está atualmente considerando planos de listagem. A controladora Volkswagen também disse que não havia planos para listar a fabricante da marca esportiva.

Analistas da Evercore ISI disseram que uma listagem separada ou venda da Porsche é uma das formas mais óbvias para o Grupo Volkswagen gerar valor. “Acreditamos que a Porsche poderia gerar, de forma conservadora, entre 27 bilhões e 49 bilhões de euros para os acionistas da VW”.

(Por Edward Taylor)

Ações defensivas ajudam S&P, Dow avança, apesar de pressão de tecnologia

Por Medha Singh

(Reuters) – Uma queda nas ações de tecnologia nesta segunda-feira continuava a pressionar Wall Street e mantinha o índice Nasdaq em baixa, mas o S&P 500 e o Dow Jones registravam pequenos ganhos com o avanço de setores defensivos, enquanto operadores também apontavam para um suporte técnico.

Às 15:36 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,01 por cento, a 25.338 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,075168 por cento, a 2.765 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,38 por cento, a 7.469 pontos.

As ações da Apple caíam 1,5 por cento e eram o principal peso sobre os três maiores índices, depois que o Goldman Sachs disse que havia múltiplos sinais de rápida redução no crescimento da demanda na China, o que poderia afetar a demanda por iPhones neste outono.

O índice de tecnologia perdia 1 por cento, o maior entre os 11 principais setores do S&P. Os setores defensivos de imóveis e consumo subiam cerca de 1,30 por cento, enquanto o setor de serviços públicos tinha alta de 0,79 por cento.

“É quase como se um cessar-fogo ocorresse no mercado entre os compradores e vendedores. Há uma hesitação para fazer um movimento em qualquer direção agora e o melhor termo para descrever isso é, provavelmente, ‘nervosismo'”, disse Michael Antonelli, diretor gerente na Robert W. Baird.

Wall Street está saindo de uma forte venda generalizada na semana passada, sua pior em sete meses, com o avanço dos temores sobre o impacto de tarifas e do aumento dos custos de empréstimos sobre os resultados corporativos, com a temporada de resultados do terceiro trimestre ganhando velocidade nesta semana.

Também adicionou nervosismo o aumento das tensões entre as potências ocidentais e a Arábia Saudita pelo desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi. A Arábia Saudita detém participações em grandes empresas dos EUA e também financia o Vision Fund do SoftBank Group, o maior veículo de investimento em tecnologia do mundo.

IURD desmente apoio para retirada do título de ‘Padroeira do Brasil’

Projeto está parado na Câmara dos Deputados

Projeto está parado na Câmara dos Deputados
Wikimedia Commons

A IURD (Igreja Universal do Reino de Deus) desmentiu a participação no Projeto de Lei 2623/07, apresentado pelo ex-deputado Victorio Galli, que propõe a retirada de Nossa Senhora Aparecida o título de “Padroeira do Brasil”.

A notícia falsa viralizou por meio do WhatsApp nos últimos dias.

O projeto visa substituir a expressão “Padroeira do Brasil” por “padroeira dos brasileiros católicos apostólicos romanos” e a expressão “culto público e oficial” por “homenagem oficial”.

O autor do texto, que hoje está o PSL, foi pastor evangélico e professor de teologia da Assembleia de Deus e não se reelegeu no pleito deste ano.

A proposta encontra-se parada na Câmara dos Deputados e ainda depende de tramitação pelas comissões de Educação e Cultura e Constituição, Justiça e Cidadania.

‘Dosar realidade de pressão’, diz Tite sobre amistoso contra Argentina

Lance

Lance
Lance

Ao que tudo indica, a cautela será um dos caminhos cruciais para um dos convocados cavar sua vaga na Seleção Brasileira. Após voltar a pedir um futebol mais convincente da equipe diante da Argentina, nesta segunda-feira, Tite destacou que esta exigência não deve se tornar algo negativo no gramado:

– Os jogadores vêm com uma realidade de pressão, e nós precisamos dosar essa realidade. Quando eu falei que a equipe precisa convencer para vencer, isso é uma ideia, que pode não acontecer, mas precisa existir. São duas fases parecidas (nos primeiros jogos pós-Copa e nos próximos), de oportunidades para os atletas.

O treinador, que não adiantou os titulares, apontou como têm sido as mudanças na Seleção no ciclo após a Copa do Mundo de 2018:

– O aprendizado é teórico, mas essencialmente prático. Tive várias ideias ao longo da carreira, que a prática me mostrou ser diferente. As oportunidades são dadas aos atletas, porque o momento permite. Os jogadores já sabem como vão jogar. As mudanças são fruto da experiência.

Questionado se preferia enfrentar a Argentina com Messi, Tite não titubeou:

– Sempre. A gente rivaliza com Argentina ou Alemanha, porque eles também têm grande qualidade. Gostaríamos que fosse com, mas a ausência dele não vai tirar o brilho do jogo.

Brasil e Argentina se enfrentam nesta terça-feira, às 15h (de Brasília), em amistoso que vale troféu. Quem vencer faturará o “Superclássico”. Caso haja empate no tempo normal, a decisão ocorrerá na disputa de pênaltis.

Guardiola não descarta ida para o futebol italiano no futuro

Lance

Lance
Lance

Parece que a ida de Cristiano Ronaldo para a Juventus na última janela de transferências realmente funcionou para levantar a moral do futebol italiano, em baixa durante a última década. Depois de Lukaku, estrela do Manchester United e da seleção belga, declarar publicamente que gostaria de atuar na Itália, foi a vez de Pep Guardiola se mostrar interessado com a ideia.

Durante o fim de semana de data Fifa, sem jogos dos clubes europeus, aconteceu o Festival Dello Sport, em Trentino (ITA). No domingo, último dia do evento, Josep Guardiola, Carlo Ancelotti e o ex-técnico Arrigo Sacchi foram convidados para uma conversa bem animada sobre futebol.

Perguntado se aceitaria trabalhar na Itália algum dia como técnico, Guardiola animou a plateia. Ele disse que tudo é possível e, por nunca ter se imaginado na Alemanha e, ainda assim, ter passado por lá com sucesso, uma passagem pelo país da bota não pode ser descartado.

– Porque não? Depois da minha experiência em Barcelona, quem teria pensado em ir a Munique e à Alemanha? No entanto isso aconteceu. Eu superei o árduo desafio de aprender alemão, então tudo é possível. Eu treinei na Espanha, na Alemanha e agora na Inglaterra, então por que não treinar na Itália? – disse, aos aplausos dos presentes.

Perguntado se conseguiria deixar a Inglaterra, Guardiola arrancou risadas da plateia:

РEu ṇo sei o que o futuro reserva para mim, mas a comida ̩ boa aqui.

Guardiola já tem história na Itália. Antes de encerrar a carreira, em 2006, quando defendia o Dorados de Sinaloa, do México, Pep atuou por dois clubes italianos. Em 2001, quando saiu do Barcelona, foi contratado pelo Brescia. No ano seguinte se aventurou na Roma por uma temporada, antes de voltar para o Brescia e ficar por lá por mais 16 partidas (tendo marcado dois gols).

Guardiola não escondeu seu amor pela Itália. Ele comparou o povo do país da bota com os da Catalunha e Espanha.

– Eu venho à Itália frequentemente, quando posso, porque amo este país. Eu tenho muitos amigos aqui. Os catalães e os espanhóis são muito parecidos com as pessoas daqui – é uma vida agradável, há sol e gostamos de aproveitar nossas vidas – finalizou.

Júlio César projeta semana de treinos e foca em sequência da temporada

Lance

Lance
Lance

A derrota para o Flamengo por 3 a 0 no Maracanã foi como uma bomba na boa fase do Fluminense. O Tricolor, porém, terá uma semana inteira de treinamentos antes de encarar seu próximo adversário: o Atlético-MG, no domingo, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. O goleiro Júlio César analisou os dias que a equipe terá pela frente e já colocou o foco no próximo jogo.

РDomingo temos outro jogo importante pelo Campeonato Brasileiro e depois come̤amos a deciṣo das quartas de final da Sul-Americana contra o Nacional, enṭo, ̩ iniciar a semana com aquilo que o professor Marcelo vai nos passar, as corre̵̤es que devem ser feitas, aquilo que foi feito de bom ser mantido e a gente aprimorar ainda mais para chegar bem contra o Atl̩tico-MG Рdisse o goleiro ao site oficial do Fluminense.

– Acho que quando vence, vencem todos e quando perde, também perdem todos e é isso que faz a diferença no Fluminense, é a união. Estamos chateados pela derrota, assim como nosso torcedor também está, mas temos que saber administrar esse momento. Agora é um momento de ter tranquilidade para gerir isso muito bem – completou.

Depois do Atlético-MG, o Flu precisará virar a chave para o jogo de ida contra o Nacional (URU), em casa, pelas quartas de final da Sul-Americana. Para o goleiro, a equipe carioca precisa pensar jogo a jogo com calma para alcançar os objetivos.

– Também não podemos achar que é o fim do mundo, a equipe vinha de jogos muito bons, duas partidas sem sofrer gols, por isso citei que temos que ter tranquilidade de fazer a correção devida e já pensar em colocar em prática no próximo jogo – explicou o camisa 22, já projetando o duelo do fim de semana.

– Temos 37 pontos, vai ser importantíssimo vencer esse jogo para chegar na linha dos 40 e tem um pouco mais de tranquilidade. A gente quer continuar somando pontos e ter tranquilidade para trabalhar, então, queremos vencer este jogo para chegar bem na Sul-Americana na semana que vem – concluiu.

Equador restaura acesso de Assange à internet em embaixada

Nas redes sociais, Assange debatia temas espinhosos

Nas redes sociais, Assange debatia temas espinhosos
Peter Nicholls/Reuters – 19.5.2017

O Equador restaurou parcialmente o acesso à internet de Julian Assange, fundador do WikiLeaks que se refugiou na embaixada equatoriana em Londres mais de seis anos atrás, disseram o WikiLeaks e um advogado de Assange separadamente no domingo.

A medida ocorre quase seis meses depois de o governo equatoriano suspender as comunicações de Assange, em março, depois de ele debater nas redes sociais temas que poderiam prejudicar as relações diplomáticas do país, inclusive uma crise diplomática entre Londres e Moscou e o separatismo da Catalunha.

“O Equador reverte o isolamento de @JulianAssange”, disse o WikiLeaks em uma mensagem no Twitter. A mudança também foi confirmada pelo assessor legal australiano de Assange, Greg Barns, que a classificou como um “desdobramento bem-vindo”.

Um porta-voz de Assange disse que suas comunicações só foram restauradas em parte.

Assange se refugiou na embaixada do Equador em Londres depois que tribunais britânicos ordenaram sua extradição para a Suécia para ser interrogado em um caso de assédio sexual. O caso foi descartado desde então, mas amigos e apoiadores dizem que agora Assange teme ser preso e eventualmente extraditado aos Estados Unidos se deixar a embaixada.

O WikiLeaks, que publicou segredos diplomáticos e militares norte-americanos quando Assange estava na direção, enfrenta uma investigação de um grande júri nos EUA.

“A questão principal, a solicitação para o Reino Unido dar uma garantia de que Julian não será extraditado aos EUA, continua sem solução”, disse Barns à Reuters.

Amigos e apoiadores de Assange dizem que ele só teve contato com advogados desde que o Equador suspendeu suas comunicações com o mundo exterior. Recentemente o WikiLeaks anunciou que Kristin Hrafnsson, um dos associados de longa data de Assange, assumiu seu lugar como editor-chefe do site.